Alfabetizadores reivindicam a Ngunga subsídios em atraso na beira

Mais de 1600 alunos das escolas primária completa de Chibonzane e Nhanchengo, nos postos administrativo de Chibonzane e Chidenguele>>

Os alfabetizadores/educadores, que ensinam a ler e escrever aos jovens adultos no quadro da política do governo de reduzir se não mesmo combater o elevado índice de analfabetismo no pais, exigiram, há dias, na beira ao vice ministro da educação e Desenvolvimento humano, Armindo ngunga, os seus subsídios em atraso a que têm directo mas que não os auferem desde o arranque do presente ano lectivo.

Cansados de esperar e sem qualquer sinal de vida no fundo do túnel, os alfabetizadores /educadores aproveitaram a vinda á cidade da beira o vice-ministro da Educação e Desenvolvimento humano, Armindo Ngunga, para manifestar o seu desagrado face a demora de pagamento de seus subsídios, um pouco por toda a Província de Sofala. O que de sertã forma tem vido a criar um mal-estar no seio daqueles profissionais.
Ngunga esteve na beira para dirigir às cerimónias centrais do 8 de Setembro, dia mundial do alfabetizador, quando, recebeu queixas de que algo vai do mal a pior no seio daqueles profissionais de educação, a partir da altura em que os míseros subsídios a que têm directo começaram a escassear, sem uma explicação Plausível e convincente. Os alfabetizadores/educadores foram mais longo nas suas inquietações, sublinhando não entender como é que as coisas funcionam no Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, principalmente na Direcção Nacional de Alfabetização e educação de Adultos, uma vez que os problemas decorrentes da encarados com muita seriedade.
Para os alfabetizadores/educadores torna-se cada vez mais caricato, quando se sabe que faz parte da linha política do governo da Frelimo, desde á proclamação da independência nacional, em 25 Junho de 1975, o combate cerrado ao alfabetismo na camada adulta do pais.
‘‘Ensinar a ler e escrever um adulto exige muita paciência e carinho por parte do alfabetizador/educador, mas o governo não quer nos pagar os nossos subsídios desde o início do ano lectivo que acaba daqui a dois meses. Ѐ Muito triste mais tem que informar ao senhor Vice-Ministro da Educação e Desenvolvimento Humano os nossos problemas”, estranharam os alfabetizadores/educadores.
Sobre esta questão, o Vice-Ministro da Educação e Desenvolvimento Humano, Armindo Ngungu, pediu calma aos alfabetizadores/educadores abraços com subsídios em atraso, dizendo que ‘‘o dinheiro no Estado tem muitas regras através do SISTSFF, mais vão receber na devida altura”.
Dados apurados pelo Magazine junto do ministério da Educação e Desenvolvimento Humano indicam que, em 2009 teve início a implementação da reforma do currículo de alfabetização e educação de adultos, que gradualmente vai se estender ao nível equivalente á 7ª classe, cujas principais mudanças consistente num ensino baseado em competências e desenvolvimento de habilidades para a vida.
De acordo com o mesmo instrumento orientador, a estratégia de alfabetização e Educação de adultos está alinhada com os objectivos do programa quinquenal do governo da Frelimo, operacionalizada no plano do sector da Educação.
Preconiza ainda o alinhamento vertical e horizontal entre o nível nacional, local e a coordenação intra-sectorial entre o subsector de alfabetização e educação de adultos com os subsectores do ensino primário e secundário do curso nocturno, respectivamente, através de envolvimento das zonas de influência pedagógica e das escolas primárias como epicentro.