Apelos contra absentismo na abertura do ano lectivo

O ABSENTISMO de alunos e professores, a indisciplina e a fraca participação dos pais>>

O ABSENTISMO de alunos e professores, a indisciplina e a fraca participação dos pais no processo de ensino e aprendizagem foram sexta-feira apontados como causas das reprovações verificadas na cidade de Maputo e desafios do presente ano.
Aliado a estes factores estão, segundo Armindo Ngunga, Vice-Ministro da Educação e Desenvolvimento Humano, o uso de telefone celular durante as aulas e consumo de bebidas alcoólicas pelos alunos.
Neste contexto, o governante disse que é necessário que gestores de escolas, professores, alunos, pais e a sociedade em geral dêem o seu máximo para que os estabelecimentos de ensino resgatem a sua função de lugares seguros de busca de conhecimento, de disciplina e de boa convivência.
O Vice-ministro, que falava na abertura do ano lectivo a nível da cidade de Maputo, referiu que estes comportamentos resultaram no fraco aproveitamento pedagógico registado no ano passado na capital, não obstante investimentos feitos para que os alunos tivessem melhores condições de aprendizagem.
O acto central na urbe teve lugar na escola Primaria Unida de 30, no bairro 25 de Junho. A aquisição e/ou recuperação de perto de sete mil carteiras das 2300 planificadas, a construção de 85 novas salas de aula e o apetrechamento de 32 bibliotecas são alguns exemplos das realizações de 2015.
Entretanto e segundo Ngunga, apenas 21,9 por cento do universo de alunos matriculados na 10.ᵃ Classe e 39,2 por cento da 12.ᵃ Classe passaram, cifras consideradas muito abaixo das previsões.
“Abrimos este ano lectivo com os corações ainda constrangidos pelos resultados alcançados no ano passado”, afirmou.
Dirigindo-se aos pais e encarregados de educação, o governante recordou que devem fazer um acompanhamento regular dos seus educandos para que não sejam surpreendidos com maus resultados destes no fim do ano.
Dados avançados por António Grachane, director da Educação e Desenvolvimento na cidade de Maputo, indicam que só nas classes iniciais (1.ᵃ, 6.ᵃ, 8.ᵃ e 11.ᵃ classes) foram matriculados 55.286 alunos. A maioria, 22.878, é da 1.ᵃ classe, sendo a 11.ᵃ a classe que tem menor numero de novos ingressos: 5516 estudantes.
Dos 2188 alunos em 2015, cerca de 1700 passaram, não obstante o fraco envolvimento dos respectivos pais, absentismo e atraso de alguns professores, de acordo com o informe apresentado na cerimónia pelo director da escola.
Fonte:Jornal Noticias, Segunda-feira 08 de Fevereiro de 2016.Pág 3