ESCOLAS DE MASSANGENA

O PRESENTE ano lectivo arrancou sexta-feira em todo o país, com muitos estabelecimentos de ensino>>

Ano lectivo inicia com vagas por preencher

O PRESENTE ano lectivo arrancou sexta-feira em todo o país, com muitos estabelecimentos de ensino do distrito de Massingir, província de Gaza, ainda com vagas por preencher.

Dados apurados pelo nosso jornal de fontes do sector naquele ponto do país dão conta que a situação foi mais grave na sede distrital, onde algumas escolas apenas conseguiram matricular 11 por cento dos alunos planificados.

Aliás, devido ao facto, conforme escreve o nosso colaborador naquele ponto da província de Gaza, apenas cinco estabelecimentos de ensino conseguiram formar turmas de 50 alunos, devendo os restantes funcionar em regime de turmas mistas, com excepção da 1.ᵃ classe e do 3˚ ciclo do Ensino básico.

A fraca afluência no processo de matrículas, de acordo com as nossas fontes, afectou a preparação do início do ano lectivo.

Castíssima Matavel, directora dos Serviços Distritais de Educação, Juventude e Tecnologia de Massangena, disse estar em curso um trabalho de sensibilização das comunidades para que nenhuma criança em idade escolar fique sem estudar no presente ano lectivo.

Um dos factores apontados como estando na origem da fraca afluência às escolas é o envolvimento dos menores nos trabalhos de pastagem de gado.

A nossa interlocutora assinalou que neste período de estiagem que caracteriza vários distritos da província de Gaza muitos pais têm deslocado o seu gado para zonas com relativamente melhores condições de pastagem, levando consigo crianças em idade escolar para aquela actividade.

O distrito de Massangena conta com uma população de cerca de 24 mil habitantes. Conforme considerou Castíssima Matavel, a sua dispersão afecta o processo de ensino e aprendizagem na região.

Refira-se que o distrito possui uma rede constituída por 22 estabelecimentos de ensino, dos quais apenas um é do nível secundário e os restantes do primário. A taxa de participação da rapariga é de 53 por cento, o que é considerado satisfatório.

Fonte:Jornal Noticias, Segunda-feira 08 de Fevereiro de 2016. Pág.4